DISRUPÇÃO: CHEGOU A HORA DE REVOLUCIONAR!

Existem empreendedores que prosseguem ao longo de muitos anos fazendo a mesma coisa e reclamando que não conseguem resultados melhores para os seus negócios. Para obter um resultado diferente, é preciso agir de modo diferente. Não adianta mais do mesmo, pois o mundo empreendedor possui tendências – que você tem que conhecer – e inovações que você deve testar em sua empresa. Por acaso, você já ouviu falar em “Inovação Disruptiva”? A expressão é relativa às mudanças impactantes, ou seja, inovações capazes de provocar uma ruptura com o modelo atual, ocasionando relevantes alterações no cenário empreendedor de um determinado ramo ou produto.

Continue lendo

O ESTOQUE E O ESCRITÓRIO DE SUA EMPRESA ESTÃO NOS DEVIDOS LUGARES?

Muitos empreendedores brasileiros, especialmente os de micro e pequeno portes, não tem por hábito separar o espaço físico de suas empresas – seja na produção industrial, no varejo ou no atacado – de seus escritórios de trabalho. Isso revela um problema de estrutura e eficiência na gestão do negócio. A referida segregação é fundamental, porquanto o empreendedor necessita de um espaço em que irá realizar as suas tarefas de gestão e estimular a sua criatividade para novos produtos, ideias e negócios. É muito comum verificar a inexistência do escritório do empreendedor em lojas de varejo, por exemplo, em que o gestor realiza as suas atividades no próprio ambiente daquela loja.

Continue lendo

Os 5 ‘s’ como pilares do bom ambiente empresarial

         No Japão, há uma prática comum no setor educacional que chama a atenção de todos que dela tomam conhecimento. Nas escolas japonesas, os alunos não estudam apenas as disciplinas da grade curricular, mas também aprendem a cuidar e organizar o ambiente escolar. Os estudantes japoneses fazem as suas refeições – merenda e almoço – no interior das salas de aula, pois não existem refeitórios. O objetivo de não existir refeitórios é o de exigir que os estudantes organizem as salas de aula e as mantenham limpas após as refeições. Naquelas escolas, os alunos são divididos em grupos, e cada um é responsável por lavar o que foi usado na refeição e pela limpeza da sala de aula, dos corredores, das escadas e dos banheiros num sistema de rodízio coordenado pelos professores.

Continue lendo