Onda Niterói – 13/09

Participe de nosso encontro de SETEMBRO!

CASO:  BOM CUPOM

“A Bom Cupom é uma empresa que oferece cupons de desconto de uma forma inovadora, no verso de notas fiscais. Um tipo de publicidade ideal para negócios que buscam atrair clientes de uma forma eficaz, já que o cupom está ativamente em contato com o consumidor, em pontos estratégicos e com alto giro de notas fiscais, como por exemplo, mercados, padarias e estacionamentos.”

Data: 13 de Setembro de 2017
Hora: 20hs
Local: Restaurante Ativa – Jardim Icaraí – Niterói
Tema: Rodada de Negócios.

Continuar lendo “Onda Niterói – 13/09”

Anúncios

Onda Empreendedora – 16/08

Onda Niterói – 16/08

20638088_1536956313021063_2159411385650819327_n

Participe de nosa RODADA DE NEGÓCIOS !!!

Data: 16 de Agosto de 2017
Hora: 20hs
Local: Restaurante Ativa – Jardim Icaraí – Niterói
Tema: Rodada de Negócios.

APENAS 50 VAGAS!


INSCRIÇÃO:

Continuar lendo “Onda Empreendedora – 16/08”

Prefeitura de Niterói avança como cidade empreendedora

21/06/2017 – Niterói dá mais um passo para o incentivo ao empreendedorismo, criação de novos negócios e geração de emprego e renda ao aderir oficialmente ao Programa Cidades Empreendedoras do Sebrae /RJ. O programa tem como objetivo, alavancar a economia dos municípios e institucionalizar políticas públicas de desenvolvimento para os pequenos negócios, visando o fortalecimento da economia local. A criação de um Comitê Gestor do Plano Municipal de Desenvolvimento para os Pequenos Negócios (PMD), bem como a nomeação de seus integrantes foi um dos pontos de partida para a aplicação na prática dessas medidas , publicada no Diário Oficial desta quarta-feira ( 21-06).

Continuar lendo “Prefeitura de Niterói avança como cidade empreendedora”

Crédito para o Empreendedor

Se você é micro ou pequeno empresário, pode ter acesso a linhas de crédito da ordem de R$ 8,2 bilhões, pelo programa “Empreender Mais Simples: Menos Burocracia, Mais Crédito”, com recursos operacionalizados via Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em atuação conjunta com o Sebrae.

Continuar lendo “Crédito para o Empreendedor”

Lançamento da Onda Empreendedora Campos dos Goytacazes

Participe do primeiro encontro da Onda Empreendedora em Campos dos Goytacazes!

Empreender envolve várias questões:
✔comportamento empreendedor;
✔conexões e network;
✔conhecimento e informação;
✔e muito mais…

Com o objetivo de desenvolver o ecossistema empreendedor a Onda nasceu em junho de 2015 e está cada vez maior.

Agora é a vez de Campos dos Goytacazes conhecer este movimento.

Venha participar do primeiro encontro da Onda Empreendedora de Campos

Dia 12/04 Às 19h30min No Speciale
R. Sete Capitães, 10 – Pelinca, Campos dos Goitacazes – RJ, 28030-470
Speciale Pizza & Pasta

O que é Equity Crowdfunding?

Equity Crowdfunding é o nome dado para o financiamento coletivo em que os investidores aportam seu dinheiro em troca de uma participação na empresa.

Os profissionais dessa área afirmam que, para quem capta, é possível ter acesso a recursos a custo menor e com regras mais equilibradas em relação a outras fontes disponíveis para esse público. Para os investidores, é a chance de fazer um investimento de longo prazo em um projeto inovador que pode dar um retorno elevado.

O modo  mais comum de uso é quando uma pessoa abre uma campanha para um projeto em uma plataforma de crowdfunding online e logo outros usuários podem aportar fundos. Essa campanha tem um prazo fixo e obedece uma regra extremamente importante: a de “tudo ou nada”. Ou ela consegue atingir o montante alvo da campanha antes de terminar o prazo ou ela não recebe nada.

Continuar lendo “O que é Equity Crowdfunding?”

No empreendedorismo corporativo, você é parte do todo!

intra-fundo-1

Para falar em intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo é preciso, primeiramente, assumir que os antigos arquétipos de trabalho e renda caíram por terra. No mundo corporativo, o trabalhador assumiu um novo papel, deixando de ser apenas um executor, mas, principalmente, um ser pensante ou, como é denominado na língua inglesa, um self-made man. Não existe mais espaço para aquele mero carimbador de papel, não fazendo nenhum juízo de valor dessa tarefa. Entretanto, faz-se necessário usar esse exemplo para demonstrar que hoje se espera muito mais protagonismo dos colaboradores, do que propriamente uma mera execução de tarefas. Exemplos?

Não é à toa que o Google permitia aos seus empregados dedicarem 20% do expediente aos seus projetos paralelos, a chamada regra 80/20, que, não por acaso, é a lei de Pareto.

Explicando: Vilfredo Pareto foi um economista italiano que desenvolveu uma lei na qual versa que 80% das consequências advêm de 20% das causas. Ou seja: 80% da riqueza mundial estão concentrados nas mãos de 20% das pessoas e assim afora. Voltando ao princípio adotado pela multinacional de serviços online foi desse projeto que surgiram o Google News, o Gmail e o AdSense.

No entanto, de acordo com artigo publicado em maio deste ano pela revista Exame, intitulado “Google estaria criando aceleradora para seus funcionários”, essa ideia foi lapidada por algumas circunstâncias, como a forte competição interna que se instalou na empresa. Por isso, a gigante da tecnologia estaria criando uma aceleradora própria, a Área 120. “Além de incentivar novas ideias, outro objetivo da aceleradora é manter seus melhores talentos e suas ideias brilhantes dentro de seus domínios, de acordo com fontes ouvidas pelo veículo americano, uma vez que é comum um funcionário sair do Google para abrir a própria startup”, cita a matéria.

Bom, todas essas divagações são para dar um breve exemplo de que o capital hoje de uma empresa está cada vez mais concentrado no seu colaborador. Felizes aqueles empresários que, identificando esse “pulo do gato”, criaram ambientes férteis dentro das suas empresas, tendo como objetivo o estímulo a uma maior participação dos seus funcionários com ideias que realmente possam trazer rentabilidade para os seus negócios. É dessa raiz que estão surgindo os destacados profissionais que ofereceram soluções – até então pouco pensadas – para problemas indissolúveis dentro das empresas, os verdadeiros self-made men.

Esse comprometimento do funcionário resvala para outra questão muito mais emocional e profunda de que todo ser humano vislumbra o reconhecimento de suas ações. Muitas vezes esse reconhecimento passa muito mais por palavras elogiosas e incentivadoras, do que propriamente pela questão financeira. É claro, que a retribuição em bônus também é um agente motivador, mas as pessoas são movidas por sentimentos. Aquela velha máxima de que todo colaborador deve “vestir a camisa” não está em desuso, mas sofreu mutações ao longo desses anos. Ele hoje não somente veste a camisa, como também se sente parte integrante do todo. Uma peça fundamental na engrenagem e é isso que move as ações empreendedoras.

Se você gostou desse artigo e gostaria de compartilhar suas experiências no mundo corporativo, a jornalista que vos escreve tem grande interesse em saber. Estamos todos conectados e o mundo de hoje é feito de 80% relacionamento e 20% de novos projetos. Definitivamente a palavra “a união faz a força” ganhou corpo e demonstra que nenhum homem hoje pode ser uma “ilha”. Ele te sim que estar muito mais engajado na busca de soluções que beneficiem não somente a empresa, como também a sua bagagem profissional, pois é isso sim que, efetivamente, tem importância. A remuneração passa a ser muito mais uma consequência do que a causa e é líquido e certo que será reconhecida nesse novo modelo corporativo.

Por: Verônica M. de Oliveira - Jornalista
www.linkedin.com/in/veronicadeoliveira

Como registrar os direitos autorais de uma Start-Up

Uma Startup cria, naturalmente, uma infinidade de direitos autorais mesmo antes de se formalizar, de virar uma empresa, então vamos começar por essas coisas até porque é justamente a fase mais crítica na vida de uma Startup.

Em primeiro lugar esqueça a ideia idiota de registrar o direito autoral da “ideia” da sua Startup ou, igualmente idiota, essa coisa de “patentear” a ideia da sua Startup. Nenhuma das duas coisas é possível, ideias são conceitos abstratos e não são protegidas nem por direito autoral e nem por patentes, qualquer um que falar algo diferente está mentindo.

Nos EUA existe a possibilidade de patentear um software, mas é algo muito complexo. Você terá que comprovar que houve uma grande inovação e prepare o bolso, o processo custa muito caro, em média, só pra descobrir se o que você desenvolveu tem ou não chance de obter uma patente vai te custar uns 3 ou 4 mil dólares.

Você deverá contratar um especialista em patente de software (são poucos, por isso sua hora custa caro) para avaliar seu software. Se passar dessa fase, ou seja, se houver chance de patente, custará mais uns 6 a 7 mil dólares para fazer o relatório de patente e o pedido no USPTO e essa patente só valerá nos EUA, ok?

SAIBA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO LENDO O ARTIGO NA ÍNTEGRA.
CLIQUE AQUI!

Todo empreendedor deve ser um vendedor?

download

Talvez algumas pessoas ainda tenham aquela ideia pragmática de achar que todo empreendedor não precisa necessariamente ser um vendedor. Ele pode dominar a concepção do negócio e delegar a tarefa da conquista do cliente à sua equipe de vendas. No entanto, o que muitas vezes essas mesmas pessoas não entendem é que a alma do negócio reside na ideia de que o empreendedor tem de si mesmo e daquela tarefa a qual se propôs a desempenhar. Neste caso, a postura de vendedor já começa dentro da própria empresa, quando o empreendedor precisa convencer aqueles que trabalham com ele de que se trata de um negócio rentável.

Como diria o “guru” do setor de vendas, autor de best-sellers como “O maior vendedor do mundo”, Og Mandino: “sê tu próprio. Mostra tua raridade ao mundo e eles o acumularão de ouro.” Ao discutir a aplicabilidade dessa frase no mundo dos negócios, pode-se dizer que o empreendedor deve crer em si mesmo e saber exatamente o valor que deseja entregar ao seu cliente. Com isso, toda energia empregada nesse sentido é absolutamente necessária e decisiva para que os negócios sejam bem sucedidos.

O empreendedor-vendedor também precisa ter atitudes e formas de pensar multifacetadas, entendendo a empresa como um todo e tendo uma visão holística do seu negócio para identificar possíveis nichos de mercado. É preciso então exercer o seu poder de comunicação e a capacidade de dialogar com aqueles que possam ser clientes em potencial, seja no presente ou no futuro. Ao vislumbrar essas oportunidades, cabe a ele fazer um briefing dessas oportunidades e sinalizá-las para os seus vendedores.

Essa forma quase que obcecada de buscar novas formas de negócios faz parte da alma de um empreendedor, que, embora não atue como um vendedor no sentido nato da palavra, exerce prioritariamente a função de ampliar os horizontes da sua empresa. Ou seja, ele não precisa  dominar técnicas de venda, mas sim amplificar a sua visão do todo, característica essa que nem sempre é pertinente às qualidades de um vendedor. Outro aspecto importante é a persistência, predicativo esse essencial ao empreendedor; pois, como dizia o “maior vendedor do mundo”, “o fracasso jamais me surpreenderá, se a minha decisão de vencer for suficientemente forte”.

Nesse aspecto, tanto o ser empreendedor quanto o vendedor necessitam de uma determinação insuperável e uma autoconfiança perceptível a todos que o cercam. Esse poder de liderança é um agente impulsionador do sucesso de uma iniciativa no mundo dos negócios, assim como o poder de convencimento, que funciona como uma mola mestra de todo e qualquer empreendimento.

São palavras de ordem no mundo do empreendedorismo, entusiasmo, confiança e, principalmente, credibilidade. Na realidade, dissecando melhor essa afirmação, a credibilidade é um sentimento que está intrinsicamente relacionado ao entusiasmo e à confiança.  Isso porque, quando a pessoa acredita e sabe vender a “alma do seu negócio”, fator esse correlato ao entusiasmo, pode-se observar automaticamente valores relacionados à confiança e credibilidade. E tudo isso não estaria diametralmente relacionado ao savoir faire de um vendedor?

Por: Verônica M. de Oliveira - Jornalista
www.linkedin.com/in/veronicadeoliveira

Como montar a equipe perfeita para a Start-Up?

Profissionais especializados são recursos-chave na ‘carreira’ de uma empresa, desde o seu início. Por isso, é simples entender o porquê empreendedores estão sempre à procura de uma equipe que seja completa e que todas as áreas sejam cobertas por pessoas com experiência (ou com vontade de aprender). Porém, sabemos que pode ser uma maratona encontrar e montar uma equipe que tenha tudo a ver com a sua empresa. Não somente isso, o investimento pode ser bastante alto.

Apesar da situação atual do mercado de emprego, empreendedores ainda passam pela dificuldade de montar uma equipe que encaixe com a vaga e a empresa. Isso, principalmente para os que estão iniciando e não possuem recursos financeiros exuberantes. Por isso, a lista abaixo servirá para aqueles empreendedores que estão à busca ou em processo de contratação de funcionários para montar uma equipe.

1. Determine Exatamente o Tipo de Vaga e o que Você Procura

Descreva claramente o tipo de vaga, com todas as possíveis atividades que serão exigidas e o nível de conhecimento para cada uma.

Quais as principais atividades do novo funcionário?
Quais conhecimentos necessários?
Expectativas. O que a empresa espera e o que o funcionário receberá em troca em relação a conhecimento, carreira, etc.
Fale um pouco sobre a empresa.
Tempo parcial ou integral?

Há tarefas na empresa que certamente podem ser feitas em 30 ou 20 horas por semana. O perigo aqui é se o empreendedor subestimar repetidamente o custo real de uma área e sua quantidade de tarefas. É indispensável, portanto, ser o mais cuidadoso possível no planejamento. Lembre-se também que o novo funcionário não terá todo seu tempo inicial para fazer atividades “reais”, existe um período necessário de treinamento.

Qual o salário?

Profissionais não são baratos. A maioria deles deve ter passado uma parte considerável de suas vidas com educação e/ou estudos. Seja justo na hora de fazer as contas para programar o salário do funcionário. Tente não cair na tentação de contratar alguém menos experiente apenas porque é um menor investimento, às vezes, o tiro pode acabar saindo pela culatra. Por isso, como uma empresa iniciante, é necessário considerar todos os custos e verificar se pode ou não fazer o investimento no profissional que deseja.

2. Recrutamento

Como motivar potenciais candidatos?

Mesmo que existem várias alternativas para anunciar vagas, o melhor em custo e benefício ainda é a Internet. Especialmente para empresas iniciantes com orçamento limitado, o uso de websites de emprego é a melhor opção.

Quanto do orçamento está disponível para o recrutamento?

Assim como tudo na fase inicial de uma empresa, é importante fazer um planejamento financeiro para o recrutamento de funcionários. Conforme já dito acima, a internet tem o melhor custo benefício, mas nada é de graça. Mesmo que seja, algumas vezes é melhor fazer um orçamento para investir em alguns bons portais do que ter sua vaga em sites sem quase nenhuma visibilidade.

O que a empresa pode oferecer que as outras não têm?

É importante garantir que sua própria empresa se destaque da multidão. Aqui, você pode ser bastante criativo. Seja informando sobre a máquina de café disponível, chás e bebidas ou eventos regulares – estas medidas criam vínculo entre os funcionários da empresa. O aspecto social é extremamente importante para a rotina profissional.

3. A entrevista

As entrevistas deixaram de ser aquela interrogação unilateral. Para um bom processo de entrevistas é importante adaptar suas perguntas às necessidades da vaga.

O que é mais importante saber?
Que perguntas precisam ser esclarecidos?
Preparação é novamente a chave para o sucesso. A melhor maneira é criar uma lista de questões-chave e importantes para serem esclarecidas na entrevista.

Esse candidato é o certo para minha equipe?

Ele pode ser uma estrela do rock na sua área profissional, mas sua personalidade não se encaixa na equipe. Isso terá um impacto negativo sobre o ambiente de trabalho e sobre eficiência da equipe. Porém, não significa que todos devem ter a mesma personalidade na equipe. Muito pelo contrário, uma mistura saudável de personalidades diferentes contribui para um bom ambiente. Nós também falamos sobre isso neste artigo.

Nem todo mundo se encaixa perfeitamente em tudo que é exigido ou necessário na vaga, o quanto eu devo considerar?

Os critérios devem agora ser ordenados por importância. Alguns podem até ser marcados como “os mais decisivos”, ou seja, as características que um candidato precisa necessariamente ter. Todos os outros devem ser avaliados e, em seguida, é necessário determinar o quanto pode ser ensinado para os candidatos que não possuírem tal experiência.

Conclusão

Depois de responder estas questões, analisar os resultados e se planejar você estará pronto para dar o pontapé inicial no processo de montar uma equipe ideal para a sua Startup. Tenha paciência e só contrate quando tiver máxima certeza. Conseguir bons candidatos leva tempo, por isso, não seja tão ansioso. A equipe perfeita é a chave do seu sucesso. Boas contratações!

Por:
Diana Morgado
http://br.smartbusinessplan.com
Diana Morgado, 25, é formada em relações internacionais, mora em Berlim e trabalha junto com o time de internacionalização do SmartBusinessPlan, a ferramenta de plano de negócios que auxilia o empresário a ter sucesso com a organização dos seus negócios e com o planejamento financeiro completo.

Fonte:
http://www.superempreendedores.com/startups/como-montar-equipe-perfeita-para-sua-startup/

O que é BootStrapping?

Qualquer um que decida iniciar um negócio com pouco dinheiro é adepto dobootstraping.  Do inglês, essa palavra foi criada para definir um acessório que ajuda a calçar uma bota. Isso mesmo, aquele pedaço de pano ou couro na parte de trás do sapato. A partir daí a palavra recebeu diversos significados metafóricos – um deles para o financiamento de uma empresa.

Bootstrapping é uma das maneiras mais eficazes e de baixo custo para o empreendedor que precisa garantir um “fluxo de caixa” positivo, pois significa menos dinheiro sendo emprestado e custos reduzidos. É uma maneira extremamente válida para qualquer fase de crescimento de um negócio quando você simplesmente não tem o dinheiro para isso.

Como financiar o empreendimento é uma grande decisão para a maioria dos empreendedores, a decisão a ser feita é entre financiamento próprio ou externo através de capital de risco. As implicações de cada decisão são significativas.

A maneira como você financiará sua empresa determinará suas chances de sucesso, as suas perspectivas de longo prazo, e, finalmente, o seu relacionamento com a empresa.Bootstrapping não é fácil e nem sempre fascinante, mas o empreendedor é de certa maneira forçado a ser ainda mais eficiente, mais criativo e mais forte e aqui está o porquê:

1. A Liberdade Criativa

A liberdade criativa e executiva que os empreendedores têm no início de seus projetos é inestimável. O Bootstrapping em uma empresa em seus estágios iniciais, com os seus próprios recursos, protege a liberdade sem (muitas vezes sufocante) a prestação de contas externa. Quando você começar será a voz da empresa – e também o criador.

Mesmo se complementar com financiamento externo ao longo do caminho, obootstrapping lhe dará muito mais controle sobre o seu próprio negócio nestes dias iniciais. Veja estes casos de empreendedores que começaram com seus próprios recursos.

2. Ser Menor É Ser Mais Detalhista

Com menos capital para trabalhar, você será forçado a começar pequeno, testar suas hipóteses com cuidado e em seguida, ampliar. Ao longo do caminho, você aprenderá sobre seus produtos, mercados e clientes mais detalhadamente. E se você cometer erros – como todos os empresários – quase certamente será de menor escala e impacto. Enquanto isso, você aprenderá a se tornar um empreendedor mais vigilante. Leia o caso de Joy Mangano.

3. Produtos Melhores com Bootstrapping

Outra vantagem de um orçamento limitado é um foco maior em seus produtos e serviços. A pressão de um orçamento reduzido irá forçá-lo a obter seus produtos com um melhor custo benefício. Quando cada último real importa, você precisará prestar atenção aos seus clientes e suas necessidades através da construção de uma oferta melhor. Essa visão e dedicação aumentará também a probabilidade de geração de receitas e a construção de uma marca mais rápida. Mas atenção! Tome cuidado paranão cometer estes erros.

4. Recompensas Por Ser Um Empreendedor Bootstrapper

Como um empreendedor bootstrapper e fundador da empresa, você será o único acionista original. Como resultado, irá manter maior controle sobre suas finanças.

O Bootstrapping também alinha seus incentivos com o sucesso da empresa: se o empreendimento falhar, você também falhará, mas se sua empreitada for bem-sucedida, terá sucesso, com muitos méritos. No Bootstrapping você também mantém o controle e outros investidores não irão reclamar ou impedir decisões importantes que devem ser feitas desde o primeiro dia. Porém, você deve se preparar e ter uma administração organizada. Aqui temos algumas dicas importantes para você.

5. Decisões Mais Inteligentes

Você raramente será tão cauteloso com o dinheiro de outras pessoas como você será com o seu próprio dinheiro. O Bootstrapping certamente irá torná-lo um melhor gerente e incentivá-lo a crescer o seu negócio de forma mais inteligente. Aprender a fazer mais com menos é uma das habilidades mais importantes que um empreendedor pode ter. Essa habilidade não é a única, mas é um princípio-chave para os negócios no século 21. Leia também sobre estas outras características que um empreendedor deve buscar.

Conclusão

Verdade seja dita, bootstrapping não é fácil. Envolve riscos e situações imprevistas tanto quanto um investimento externo, empréstimo bancário ou outro tipo de capital contratado para o início da empresa. Todos eles requerem muito trabalho e possuem suas expectativas de sucesso e taxas de retorno de capital. A única coisa certa é quebootstrapping é a melhor forma de iniciar um negócio, da maneira que você, e somente você, quiser.

Fonte:
http://www.superempreendedores.com/startups/5-vantagens-do-bootstrapping/

Por:

Diana Morgado, 25, é formada em relações internacionais, mora em Berlim e trabalha junto com o time de internacionalização do SmartBusinessPlan, a ferramenta de plano de negócios que auxilia o empresário a ter sucesso com a organização dos seus negócios e com o planejamento financeiro completo.