Acordos: Como George Lucas, Bill Gates e Robert Downey Jr. ficaram ricos

Na década de 70, quem diria que George Lucas teria seu próprio Lego?

Poucas pessoas ficam ricas graças à poupança. Algumas outras poucas ficam ricas investindo em seus negócios lentamente ao longo do tempo. Além de nascer rico – a maneira mais fácil e segura de se enriquecer -, o que a maioria a maioria dos ricos fez?

Acordos!

george lucas disney

Existem acordos bons e existem acordos ruins e eu já me meti em ambos os tipos. Quem nunca? Só quem nunca fez nenhum acordo nunca se meteu num acordo ruim.

Um dos piores acordos que já fiz foi quando troquei no meu primeiro carro numa concessionária. Troquei por uma pickup que era mais velha do que meu carro. Seis anos mais velha. Como se não bastasse, eu dei uma grana alta no acordo. Depois que o acordo foi assinado, o gerente da soltou uma breve risada – não estou brincando.

Eu inocentemente perguntei por que ele estava rindo. O vendedor disse que “gostava de atender bem seus clientes e só”. Foi só aí que tive a ideia de perguntar: “a pickup precisa de algum ajuste mecânico”. Ainda sorrindo, ele respondeu: “relaxa, não está nova em folha, mas nada além do comum”. Depois de uma semana, eu descobri que tinha uma peça no motor que estava simplesmente anulada – foi quando saiu uma nuvem de fumaça preta do capô pela primeira vez. O carro morreu de vez depois de um ano.

Depois disso, aprendi a reconhecer acordos ruins de longe – e a fazer mil perguntas antes de assinar qualquer papel.

Quer alguns exemplos de acordos de sucesso?

robert downey jr tony stark

George Lucas ficou com os direitos de merchandise de um pequeno filme que ele chamou de Star Wars por US $ 20.000. Enquanto muitos riram da decisão dele, o acordo garantiu mais de um bilhão de dólares para os bolsos do senhor Lucas – e isso depois dos impostos. E assim descobrimos que os nerds que moram com suas mães podem comprar muitas estatuetas do Boba Fett.

Bill Gates comprou o DOS por US $ 50.000. E o DOS foi a base da sua pequena empresa, a MicroSoft. Nessa época a IBM comentou: “Quem quer ter um software? O dinheiro está no hardware”” Quem disse isso deve rir para não chorar até hoje.

Robert Downey Jr. fez um acordo para ganhar uma “fatia” das bilheterias dos filmes da Marvel – algo entre 5% e 7%. Isso lhe garantiu US$ 50 milhões só n’Os Vingadores. A Disney obviamente evita falar do faturamento dos atores, mas a Forbes disse que Downey Jr. recebeu um cheque de US$ 80 milhões para Era de Ultron e Guerra Civil, ainda sem incluir as participações nos lucros.

Como compreender um acordo?

microsoft 1975

Informações: Quando fiz o meu acordo pela porcaria da pickup, falhei em me informar melhor no que me foi oferecido. Informações incorretas levam a ofertas unilaterais.

Potencial: Bill Gates entendeu o quanto o DOS valia numa época em que ninguém ligava para softwares. No fim das contas, os bens mais preciosos da MicroSoft são seus softwares.

Circunstância: George Lucas uniu o merchandise de Star Wars com o colecionismo numa época em que filmes só vendiam pôsteres e camisetas. Há quem diga que Star Wars tem o melhor merchandise de todos os tempos.

Euforia: É fácil se empolgar quando quer realizar um sonho ou quando está diante de uma marca valiosa. Mesmo assim, é importante usar a euforia para a criatividade e a razão para os acordos, nunca o contrário.

Pressa: Nunca faça um acordo sob pressão. Uma empresa ou sócio sério vai respeitar o seu tempo, seu raciocínio e sua compreensão sobre o acordo.

E o risco?

pickup velha

Meu querido, já ouviu falar da Quebra da Bolsa de 1929, que gerou a Grande Depressão? E a Bolha da Internet de 2000? E a Crise de 2008? Algumas vezes, o navio afunda. Mas ninguém morreu diretamente por causa dessas crises e as boas empresas continuaram existindo. Para sobreviver a uma crise inevitável, você precisa de dois diferenciais simples:

Preparo: Você não pode prever o imprevisível, mas pode estar preparado para o imprevisível. Esteja sempre pronto para um elemento surpresa, seja dinâmico e transforme situações de risco em lucro.

Seletividade: Não corra riscos desnecessários. Para cada acordo arriscado, faça dez garantidos. Às vezes, bons acordos precisam de tempo para amadurecer, ninguém alcança o lucro indo com fome ao pote.

Se você não está tendo os lucros que esperava, não se preocupe que a grande maioria não está. O que não quer dizer que você deva aceitar o prejuízo. Escolha bem seus acordos e esteja preparado, que o resto é consequência.

Receba o ‘Não’ e entregue mais do que o ‘Sim’

 

É de amplo conhecimento que o mundo empresarial é competitivo, não importando o ramo de atuação de sua empresa, ressaltando a existência de setores submersos em competições mais acirradas que outros. Nessa cotidiana luta, as empresas se articulam, reinventam-se e algumas (talvez muitas) vezes encerram seus ciclos. Nesta percepção, destaca-se que um dos grandes males que o empreendedor iniciante sofre é a síndrome do ‘Não’. Muitos indivíduos decidem se aventurar como empreendedores (o que é extremamente sadio), mas sem a necessária preparação psicológica para receber o ‘Não’ como resposta aos seus projetos.

Continue lendo

Os 3 passos para transformar aquele ser problemático em um fiel aliado

Trabalhar em equipe, geralmente, é uma tarefa difícil e exaustiva. Lidar com comportamentos diferentes pode trazer uma certa angústia e, até mesmo, um desespero emocional. Em toda equipe nós encontramos aquele cara problemático, entusiasmado demais, preguiçoso, teimoso, esperto e outros perfis bem complicados de se trabalhar. Mesmo assim, nós, gestores, continuamos na busca do equilíbrio perfeito.

No meio daquela salada de desejos, vontades e comportamentos diferentes, podemos encontrar um coleguinha (ou mais) que é o criador da discórdia. Aquela criatura que adora causar problema, coloca todo mundo (ou quase todo mundo) contra o que é pedido, incentiva os outros a fazerem besteira e, por fim e não satisfeito, transforma o seu plano de liderança, que você trabalhou com tanto carinho, em um verdadeiro inferno.

Continue lendo