Surge a indústria dos “Hackathons”.

Cada vez mais vejo iniciativas de empresas em criar eventos de tecnologia “Hackathons” com o objetivo de aproximar talentos, ideias e soluções que possam evoluir o produto/ serviço que fornecem (AMBEV, IBM, FIESP, Telefonica e entre outras diversas marcas exploraram essa possibilidade e abraçaram de uma maneira coesa) e até ai tudo bem.

Porém, de uns tempos pra cá, vi esse caminho se tornar uma grande oportunidade de exploração de ideias e profissionais, que além de pagar para participar desses eventos, são reféns de regras absurdas que vão desde ceder todos os códigos produzidos sem ônus, até a tomada do direito e exclusividade de 100% ideias ali geradas. Uma verdadeira “cafetinação”.

Clique aqui para ler o artigo na íntegra.